segunda-feira, maio 01, 2017

Resenha: A menina que não sabia ler, por John Harding

Cheguei a esse livro a partir de indicações no Instagram. Muitas pessoas que sigo estavam postando fotos da capa e tecendo elogios a obra. E justo nesse momento, surgiu a promoção na Amazon oferecendo esse ebook gratuitamente. Baixei o livro e alguns dias depois comecei a ler. Como estava em ebook, só o lia em casa ou em "viagens mais longas". E, além disso, estava lendo junto com "12 histórias, 12 doutores". Motivos pelos quais demorei um pouco para finalizar a leitura. Mas, ontem resolvi terminar de uma vez, e acabei lendo em uma sentada.


O autor "John Harding" é o mesmo do best-seller "What we did on our hollyday", que foi adaptado para a TV. A história acontece na Escócia, é também sobre crianças que agem estranhamente. É bem interessante, e fiquei surpresa de saber que ele escreveu também essa história,


Resenha: A menina que não sabia ler

A escrita é bastante fluida e fácil. Não por ter palavras fáceis, bem pelo contrário, mas por ser um texto muito bem escrito. É gostoso de ler. Logo de início percebi uma semelhança com "A menina que roubava livros". Aliás, confesso que esse título meio parecido foi um estímulo a mais. Porém, a coincidência termina no fato de que ambas meninas gostam muito de ler.

Florence, personagem principal de "A menina que não sabia ler" começa sendo descrita com um toque de feminismo que me interessou. A menina é impedida de aprender a ler, apesar da sua curiosidade, porque tradicionalmente só os meninos podem ser educados. Apesar disso, ela consegue escapar para a biblioteca onde aprende a ler sozinha, dando início as suas aventuras. Ela precisa manter em segredo essa nova atividade, que fica mais difícil a cada dia, devido a sua compulsão pela leitura.

Florence e seu irmão vivem numa casa no interior, próximo à cidade de Nova York. Órfãos, vivem com criados em um casarão degradado pelo tempo. O tio responsável por eles vive na cidade, e eles o conhecem mais por fotos, já que, sempre muito ocupado, ele nunca aparece. Ele é quem proíbe a menina de receber educação formal. Mesmo distante, preocupa-se com o desenvolvimento dela. Teme que enlouqueça como uma antiga namorada sua, é o que conta a governanta da casa quando Florence questiona sobre o fato.

A partir da trama apresentada no primeiro capítulo, a leitura parece promissora. Mas, conforme os acontecimentos vão sendo contados, a história não empolga tanto. Eu fiquei esperando alguma coisa acontecer, um problema mais sério. E foi um pouco decepcionante que isso só aconteceu nas últimas páginas. Até lá, conhecemos um pouco mais o dia a dia das crianças, a relação deles com os empregados e a paixão de Florence por seu irmão, do seu ponto de vista, a única família que ela tem.

O curioso nessa leitura é que só no fim, eu me dei conta de que algumas informações contadas em meio a acontecimentos nem tão importantes eram fundamentais para construir a personagem principal, e direcionar para o desfecho da trama. É o que tornam os seus atos aceitáveis, apesar de não nos parecer capaz de tudo o que fez. A mim pareceu que ela "pirou" meio do nada. Então, parei para pensar em tudo e fui construindo essa linha entre a protetora e a louca. Achei, portando, a personagem um pouco inconsistente, mas isso só fica claro no final. Até lá a história só parece um pouco fraca. Não sei se a intenção da obra era ser de terror, mas no final ela brinca com esse gênero. Bem de leve, mas fica um suspense no ar. Em algumas páginas parece até outra história, tem um salto no comportamento de Florence. O bom é que os demais personagens também se assustam, então acredito que era para ser assim.

Apesar disso, recomendo a leitura. É uma boa opção para passar o tempo, ainda que não entregue uma grande e gratificante experiência literária.


=P

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...