quinta-feira, novembro 16, 2017

Eu, Robô | Leia o livro, não assista ao filme!

O filme "Eu, Robô" não tem nada a ver com o livro, e isso é até normal, mas ele vai de encontro ao que o autor pretendia ao escrever seus contos de robô, e isso é imperdoável.


Quem viu o filme "Eu, Robô" com o Will Smith tem uma ideia muito errada sobre o livro de mesmo nome. A produção cinematográfica foi inspirada na obra de Isaac Asimov (nem a pau!), é o que diz na sinopse. Enquanto lia o livro algumas pessoas me falaram do filme, que era bom, perguntavam se eu já tinha assistido. Não tinha.

Por uma feliz coincidência, não tive a oportunidade de assistir "Eu, Robô" antes. E se tivesse assistido, teria deixado de ler o livro com toda certeza. O filme conta a história de um policial que tem "sisma" com robôs. O planeta está tomado por robôs humanoides que auxiliam os humanos. Lá pelas tantas um grandão da CIA US Robotics é morto, no que parece um suicídio, e esse policial pira. E ele tem razão, as máquinas estão elaborando um plano maligno para uma revolução e pretendem dominar a Terra. Afe!

O que permite aos robôs serem super inteligentes é a tecnologia da US Robotics. Empresa responsável pelo desenvolvimento dos cérebros positrônicos. E o que permite a ótima convivência com os humanos são as três leis da robótica, as quais impedem os robôs de ferir um humano, não agir quando um humano estiver em perigo e não se autodestruir. Exatamente nessa ordem.

Pois bem, no parágrafo anterior listei o que tem de similar com os contos escritos por Asimov reunidos no livro "Eu, Robô". No mais, esqueça!

Nos contos do livro, os robôs foram proibidos na Terra. Eles auxiliam os humanos em outros planetas, fazendo trabalhos que seriam difíceis ou impossíveis para nós. Na Terra têm apenas máquinas equipadas com a tecnologia, a fim de calcular e gerenciar a economia, a produção etc. 

As estórias têm um peso psicológico, a Dra, Susan Calvin começa a contar essas histórias em uma entrevista com um repórter. Ela conta situações limites em que os humanos responsáveis pelos testes dos robôs tentam identificar uma aparente falha. O desenrolar do problema até identificar a causa, normalmente cai em uma das três leis da robótica. E é hilário e irônico ao mesmo tempo como as coisas se resolvem.

A Dra. Calvin é a poderosa da empresa, ela é psicóloga roboticista e entende como ninguém o modo como os robôs pensam. Quando não sabe, ela consegue descobrir. Ou seja, ela tem uma baita importância na US Robotics, enquanto no filme ela (que é novinha demais) só ajuda o Will Smith (o tal policial paranoico). E isso é bem ridículo.

Um dos contos do livro aparece no filme como uma cena grotesca em que um robô se mistura a tantos outros para se esconder do policial. No conto, esse robô recebe uma ordem de "sumir" e é obrigado a isso devido às leis que precisa seguir (está programado para isso). A maneira habilidosa com que ele se esconde e persuade os demais a escondê-lo é genial.

Uma das estórias que mais gostei foi "Razão", em que um robô apresenta crenças religiosas. Ou o "Mentiroso!" um robô que lia pensamentos. A resolução desse especificamente é absurda de boa.

Em todos os contos a sagacidade do cérebro positrônico é mostrada com tanta genialidade, que não tem como não acreditar que aqueles personagens existem. Eu ficava pensando naquelas situações. Que tipo de "seres" seriam eles? Que direitos teriam? Robô teria alma? Seria muito legal se tivéssemos robôs andando por aí e pensando, tomando decisões.



Sobre Isaac Asimov 


O autor Isaac Asimov começou a pensar em histórias de robôs em 1939, quando os robôs eram retratados como uma criação perigosa. Inevitavelmente eles sempre se voltavam contra a humanidade e a catástrofe era inevitável. O autor, que era apaixonado por ficção científica e nerd total, não queria acreditar que conhecimento se tornasse em algo perigoso, por isso discordava das histórias de robôs acabando em desastre.

Asimov queria retratar robôs de um modo diferente, e inspirado num conto chamado "Eu, Robô" começou a escrever as suas histórias. Elas eram publicadas em revistas conforme ele conseguia espaço. Até que em um determinado momento veio o convite para reuni-las num livro que recebeu o nome do conto que o inspirou. Foi ideia do editor e não dele. 

As três leis da robótica foi a grande criação dele para que a máquina não se voltasse contra a humanidade. E a porcaria do filme usa justamente isso como pretexto. Seria como se os robôs fossem humanos, pensassem como tais. O que não é "verdadeiro", sequer possível, nos contos de Asimov. Os robôs chegam a ser ingênuos, são puros, como diz a Dra. Calvin em alguns momentos. 

Os robôs de Asimov não chegariam naquela selvageria retratada no filme. São muito melhores do que isso, mais espertos. E têm um jeito mais eficiente e criativo para lidar com os riscos que os homens oferecem a eles mesmos. 


Então, se você aguentou a leitura até aqui deve ter compreendido, porque detestei o filme não recomendo. E quanto ao livro: Leiam! É mais do que ficção científica e história de robôs. Tem provocações muito interessantes.

=P

13 comentários:

  1. Eu não conhecia o filme e nem o livro, mas depois daqui eu vou ir ler o livro, assim quando for ver o filme posso tirar conclusões tão iguais as suas. Mas confesso que esse teme não é o meu favorito haha. Amei a resenha.

    ResponderExcluir
  2. Já assisti o filme e adorei, o livro nunca li, mas geralmente são bem mais completos que os filmes né!

    ResponderExcluir
  3. Menina eu adorava o filme, nunca imaginei que o livro era totalmente diferente! E por tudo que você citou, realmente o filme não tem nada a ver com o filme. Assim que eu puder, vou tentar ler o livro e ver se eu gosto.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Very interesting blog, I like it. Great post.

    Follow for follow? :)

    http://www.alexandarstanisavljevic.com/

    ResponderExcluir
  5. Sou fã do trabalho do Will Smith porém não sou fã dos filmes dele desse gênero ficção científica...resenha cheia de spoilers mas você deu sua opinião verdadeira e é isso que importa na resenha...Adorei!!!

    ResponderExcluir
  6. Eu já vi o filme, não sabia que tinha livro!

    ResponderExcluir
  7. Bom... Eu não li o livro e nem assisti ao filme é geralmente gosto de ler antes de ir ao cinema... depois da sua explicação confesso que fiquei curiosa pra ver o filme tendo, com certeza, lido o livro antes... só pra ver essas discrepâncias da "inspiração/ adaptação"

    Bjusssss

    ResponderExcluir
  8. Não fazia ideia de que esse filme vinha de um livro. Nunca vi o filme, justamente por que quem já viu não gostou. Então, se eu encontrasse esse livro, certamente não leria. Mas achei bem interessante e história do livro, o que só prova mais uma vez que o filme nunca é igual ao livro.

    ResponderExcluir
  9. Eu nem sabia que tinha o livro. Pelo que falou é mesmo diferente do filme. É uma pena porque gosto quando o filme consegue captar nem que seja uma parte da essência do livro. Vou ver se encontro para ler.

    ResponderExcluir
  10. Já assisti o filme e confesso que não gostei muito, nem sabia que existia o livro também, deu vontade de ler!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Confesso que não conhecia o livro nem o filme. Vou procurar saber mais deles.
    As vezes nos decepcionamos com adaptações mesmo,por esse motivo sempre tento ler primeiro. Haha
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  12. Nice blog :)
    I follow you.
    Wishing you a wonderful weekend, dear!
    Kisses from Croatia :)

    What's up, Ivy?
    Instagram
    ♡♥♡♥♡♥♡♥♡♥♡♥♡♥♡❤❤

    ResponderExcluir

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...