terça-feira, junho 04, 2019

E teve mês nerd! Confira as minhas leituras de maio

Mês de maio é considerado o mês nerd, porque no dia 25/05 é o Dia da Toalha, uma homenagem ao mestre Douglas Adams. Explico toda essa conversa nesse post.

Em homenagem ao mês nerd, eu fiz uma lista de leitura especial, cumpri quase toda, mas tive que substituir um dos livros. Confere que tem muita dica boa de leitura aí!




Lista de leituras prevista para o mês de maio


  1. LOG#1525, B. Demétrius
  2. Os despossuídos, Ursula K. Le Guin
  3. A vida compartilhada em uma admirável órbita fechada, Becky Chambers
  4. Chronos, Rysa Walker
  5. O guia do mochileiro das galáxias, Douglas Adams

Leituras de maio (a real)



Segunda Fundação, Isaac Asimov


Esse é o terceiro livro da trilogia, que comecei a ler em abril. Foi, para mim, um anticlímax, porque esperava mais. O segundo livro da trilogia jogou as expectativas para o alto, e nesse livro a história volta a ser morna e um pouco cansativa. Eu esperava mais. Mas, li super rápido, a escrita do Asimov é incrível. Vou continuar lendo essa série porque, não dá pra abandonar assim.


A vida compartilhada em uma admirável órbita fechada, Becky Chambers


Esse é o segundo livro de uma série, o primeiro foi "Uma longa viagem a um pequeno planeta hostil" que tem resenha aqui. Na história desse segundo livro tem duas personagens do primeiro, mas não é muito relacionada uma com a outra. É tranquilo pra ler um ou outro, sem prejuízo. O que precisa, é explicado nesse segundo.

A vida compartilhada... trata de muitos assuntos polêmicos relacionados à consciência, IAs, corpo, gênero. É muito legal, faz a gente pensar muito. É, por isso, bem diferente do "Uma longa viagem..." que tinha um enredo de ação, era mais envolvente. Esse achei um pouco dramático demais, mas a história pedia isso.

A autora ainda vai lançar o terceiro livro dessa série e estou bem curiosa com o que vem por aí!


LOG#1525, B. Demétrius


Tem resenha já desse livro, e gente, que surpresa boa. Foi um dos melhores livros que li esse ano. E é nacional, é ficção científica pura, com história de aventura, drama, sobrevivência. É perfeito. Leiam a resenha, vale a pena! Aqui!




Os despossuídos, Ursula K. Le Guin


Esse foi do tipo de leitura que dá um nó na cabeça da gente, estraga tudo mesmo. foi uma das melhores leituras do ano! Em "Os despossuídos" Ursula K Le Guin experimenta uma sociedade nova, livre do sentimento de posse, vivendo em uma filosofia de vida quase perfeita, uma sociedade de revolucionários.

Uma trama confusa, texto denso, mas muito interessante. Leia a resenha dele aqui.





A sombra vinda do tempo, HP Lovecraft


Essa foi uma leitura que fiz meio que por acaso para atender a uma necessidade. Fiz uma live no Instagram sobre viagens no tempo e recebi essa indicação. É um drama, puxado pro horror, que conta a experiência de um homem. A história envolve extra terrestres, um tipo de viagem com objetivo sinistro. É bem interessante.


O fim da infância, Arthur C Clarke


Essa leitura foi pra fechar o mês um tanto cansada. Arrastada, sem muito propósito, chata! Muitas pessoas indicaram o fim da infância, falam tão bem do Clarke, mas pra mim chega, pelo menos por um tempo.

Um enredo simples, bobo, uma invasão alienígena beirando a ingenuidade. O autor até se desculpa na apresentação, pelas referências religiosas e sobrenaturais, mas isso foi o de menos. O motivo da história é fraco, bobo. Não gostei!


E essas foram as minhas leituras do mês. Como foram as de vocês? Contem aí!

=P



quinta-feira, maio 30, 2019

Resenha de Os Despossuídos de Ursula K Le Guin

Esse foi do tipo de leitura que dá um nó na cabeça da gente, estraga tudo mesmo. foi uma das melhores leituras do ano!



Em "Os despossuídos" Ursula K Le Guin experimenta uma sociedade nova, livre do sentimento de posse, vivendo em uma filosofia de vida quase perfeita, uma sociedade de revolucionários. Será??

Não existe dinheiro, todo trabalho é voluntário, não existe família, as pessoas são incentivadas a viver "para" a sociedade, a amizade é incentivada e as relações sexuais aceitas desde a puberdade, há quartos para casais nas comunidades para que eles transem, ou vivam juntos se quiserem, eles podem ter filhos à vontade, as crianças são criadas em instituições de educação deixando livres os "parceiros" que as geraram.

E aqui entra um primeiro indício da "direção" dessa estória: as instituições que vão condicionando as crianças para a vida em sociedade. Todos são condicionados, e aí é onde começa. Isso para que a sociedade funcione bem. É tudo pelo bem das pessoas, do planeta. Lindo, né?


O livro é curioso e cheio de reviravoltas! 


Acompanhamos Schvek, um físico que começa a se questionar sobre o sistema em que eles vivem. O planeta Anarres, que é bem inóspito, tem um planeta gêmeo (Urras), que é o de onde essa comunidade de Anarres se origina, com o qual eles não mantém contato.

Aliás, eles aprendem a odiar os habitantes do planeta vizinho. Percebem?! Essa liberdade anárquica, talvez não seja bem assim. E todas as quase 400 páginas desse livro nos fazem pensar sobre cada diferença, sobre cada semelhança. Que livro!


É tanta passagem incrível que o livro ficou assim, tomado de post its. Eu ainda preciso reler esse livro um dia, para revisitar esse universo tão diferente e impressionante.

Uma obra atemporal


Ursula K. Le Guin escreveu "Os despossuídos" em 1974 e trata de temas como família, regimes políticos, homossexualidade, machismo e feminismo, sem ser chato, sem ditar regras. Esses temas estão ali, fazendo parte do enredo, não da trama em si. É perfeito!

O único porém é que em várias passagens ele fica lento e sonolento (pra mim) pelo nível hard de descrições. Apesar disso, indico fortemente que todos tenham contato com essa obra Sci-fi clássica que faz uma análise profunda do ser humano como ser social, usando planetas distantes como local para os seus eventos.

=P

quarta-feira, maio 29, 2019

Resenha de LOG#1525, de B. Demétrius

LOG#1525, do B. Demetrius é um livro para combater o preconceito com livros de escritores brasileiros. E mais, é ficção científica brasileira de qualidade sim senhores!


Quando fiz alguns diários de leitura nos stories do Instagram, e depois de classificar esse livro com 5 estrelas, algumas pessoas vieram expressar a sua curiosidade com a obra. E as entendo completamente!

Mesmo eu, que tenho mania de dizer que quero contribuir para a literatura nacional, acabo negligenciando lançamentos. Às vezes por estarem mal divulgados, às vezes porque esqueço de acompanhar mesmo.

Até que o autor viesse falar comigo eu também não tinha sequer visto esse livro, e que triste está a Daniela do universo paralelo, seguindo sua vidinha simples sem ter tido contato essa maravilha aqui!


Para quem curte Sci-fi, responde aí: o que faz vocês gostarem do gênero? 


É tecnologia, futurismo, computação, Inteligências Artificiais? Viagens intergalácticas? Mistério? Suspense e, por que não, drama e luta pela sobrevivência?

Pois Log#1525 tem isso tudo, mais uma trama muito original e referências geek (nerd) que não acabam mais. Uma das diversões inclusive pode ser procurar por esses easter eggs que o Demétrius espalhou no seu livro.


Log#1525 tem uma estrutura muito sci-fi!


A história inteira é contada a partir de logs – registros de sistema -, que funcionam como um diário de bordo de um sobrevivente após a queda da sua nave num planeta estranho. Acompanhamos tudo de dentro da cabeça dele. Pois, esses logs são gravados no chip que é implantado no cérebro dele.

E aí já surge um elemento sci-fi que estou muito em dúvida se conto para vocês ou não (não vou contar), mas foi aí que eu me envolvi completamente na narrativa. Sério, se você ama ficção científica, vai amar esse processo (digamos assim) inicial da história.


Uma história sob o ponto de vista do protagonista tem tudo pra ser ruim!


Estar na cabeça do personagem e ouvir a sua história a partir da perspectiva dele pode ser muito perigoso. Existe a chance de não simpatizarmos, detestarmos o personagem ou de o autor se perder e confundir tudo.

Mas, Demétrius narra essa história com maestria, seu personagem é único, louco, divertido, real. A imersão é perfeita, LOG#1525 é intrigante e envolvente. Sério! Depois que a gente pega pra ler não quer largar. É demais!

Para quem gosta de comparar, essa história me lembrou Love, Death & Robots, a série da Netflix, Tropas estelares, do Heinlein, a trilogia do Sprawl do William Gibson, PKD e até Naufrágo, o filme com o Tom Hanks.

Ou seja, estou falando de uma obra de ficção científica “realmente” hard, ou no mínimo pura e simplesmente linda!


Sem muito Spoiler, por favor!


É bem complicado escrever uma resenha sem spoilers, mas eu tento. Isso porque uma das coisas que mais gosto é de ser surpreendida, e gosto de dar essa oportunidade para os demais leitores. E LOG#1525 tem muitas oportunidades disso. O mais legal de ler esse livro foi, ao terminar, a vontade de recomeçar na mesma hora. As teorias que tenho (até agora) se formando sobre como, onde, quando e porquê. É sensacional!

Basicamente, B. Demétrius conta a história de um sobrevivente, líder de uma equipe exploradora, após a queda da nave em um planeta estranho. O modo como ele encara esse desafio, sozinho, num planeta extremamente inóspito, explorando o planeta apesar de tudo, registrando tudo para “a companhia em que trabalha(va), sua inteligência para contornar os obstáculos com uso da tecnologia disponível nos destroços, a sua lógica frente à solidão e a tudo que poderia dar errado (e muitas vezes dá mesmo) é cativante, empolgante, desesperadora.

E toda essa trama simples e complicada ao mesmo tempo, merece uma primeira impressão, sem que eu esteja aqui dizendo o que você deve achar ou sentir. Se você gosta de sci-fi, apenas leia! Garanto que vai gostar.

Obrigada Chiado por publicar esse livro, obrigada Demétrius por ter visto sentido em me enviar seu livro e pela confiança. Vocês são demais!

Para saber mais sobre LOG#1525 e sobre o autor: https://www.facebook.com/log1525

Posts Relacionados

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...